terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

STUDIO DE VERÃO - PEDRINHO E GOTHE




















Depois de um bate papo com quatro craques do nosso esporte, o Studio de hoje inova, não que estejam aqui dois perfeitos pernas de pau do botonismo, mas certamente duas vozes conhecidas do Futmesa na rede, com opiniões definidas e na maioria das vezes diferentes sobre os vários temas que se esparramam em sites e blogs, no Gothe Gol sobretudo. O colunista do CONEXÃOLiso, Pedrinho Hallal, responde ao Editor do Portal do Futmesa, que por sua vez responde as questões de Pedrinho. Saia justa, um bom embate, boa diversão ? Talvez um pouco de cada. Vamos conferir !

Pedrinho Hallal











Gothe Gol - Você é candidato a Presidência da Federação Gaúcha de Futebol de Mesa para o biênio 2014/2015 ?

Pedrinho - Não. Minha disponibilidade de tempo é insuficiente para assumir o cargo. Apesar do dito amadorismo do nosso esporte, não acho que a FGFM deva ser gerida de forma amadora. Acredito que para ser presidente, a pessoa precisa ter tempo disponível, para não apenas ter ideias, mas também para coloca-las em prática. Sou candidato a ajudar quem quer que assuma a presidência da FGFM, seja o Editor, Róbson, Aldyr, Sílvio, ou qualquer outro, exceto o Cristian Costa, que só poderá concorrer quando atingir 1,50 metros ou a maioridade (o que chegar primeiro).

Gothe Gol - Na sua avaliação, o que trouxe alguma turbulência a gestão da atual Direção da FGFM, que teve de troca de troféus no Estadual Sênior e Junior no Geraldo Santana a erro técnico na definição de vantagem na Taça RS de lisos ?

Pedrinho - Situações delicadas fazem parte da realidade de quem administra qualquer órgão, e a FGFM não é diferente. Na prática, as situações de trocas de troféus nem foram as mais complicadas que enfrentamos. Essas foram cagadas pontuais. Já o erro na definição da vantagem sim, foi inadmissível, e estamos tomando todas as providências para que nunca mais se repita. Outra situação complicada foi a da camiseta. Escolhemos um método (enquete online) que tem falhas, mas não achávamos que alguém se prestaria a burlar uma enquete sobre escolha da camiseta. Quando recebemos o vídeo mostrando o passo-a-passo da ‘mutreta’, não poderíamos deixar de mudar a forma de enquete, mesmo sabendo que receberíamos críticas e que teríamos uma participação bem menos expressiva no método do email. A gestão atual, liderada pelo Maciel, concentrou sua grande atividade para o ano de 2013, que é o lançamento de um sistema online para gerenciamento e acompanhamento das competições. Se não tivesse feito nada certo e o sistema funcionar perfeitamente, já teria feito um grande bem pelo futebol de mesa. Mas a gestão está tendo muito mais acertos do que erros, que é o que se espera. Aliás, aproveito para mandar um abraço para o presidente Maciel, leitor assíduo do Blog. 

Gothe Gol - Você cunhou a expressão “embarrados” para a modalidade cavados, até aqui a mais jogada ainda no Rio Grande do Sul, acredita que pela evolução quem vem ganhando o liso, ela brevemente poderá desaparecer do cenário de competições no Estado ?

Pedrinho - Não, o cavado não vai e nem pode desaparecer. Se ele sumir, onde poderemos assistir aos espetáculos proporcionados pelo Celtic, Botafogo, 14 de Julho de Livramento e grêmio do Editor? O termo ‘embarrados’ foi criado para descrever a diferença entre um jogo de lisos (que parece acontecer em Wembley, com a grama cortada e os jogadores quase flutuando em campo) e um jogo de cavados (que parece acontecer no Aldo Dapuzzo). Só que tem muita gente que prefere jogar no Aldo Dapuzzo. Qualquer esporte tem várias formas de expressão. Eu diria que o cavado está para o futebol de mesa assim como o Nilcon está para o vôlei. 

Gothe Gol - Apesar de sua declarada paixão pelos lisos, é considerado no senso comum um botonista melhor nos cavados do que no liso. Concorda com esta avaliação ?

Pedrinho - Sim, em parte. Na verdade eu não usaria o termo MELHOR. O termo MENOS RUIM é mais adequado no meu caso. Eu sou um botonista de nível médio, com algumas vitórias importantes, vários empates legais e muitas derrotas. Gosto mais de vôlei, mas jogo melhor nilcon. Das vitórias, eu destacaria: (1) virada sobre Aragão no Brasileiro de lisos; (2) o dia em que fiz 10 no Marcelo Vinhas; (3) o dia em que fiz 9 no Tiago Pierobom; (4) a vitória por 2x1 sobre Cristian Baptista na Taça RS 2012; (5) a goleada sobre André Marques na decisão de 3º e 4º do Brasileiro de Natal, jogando de liso contra cavado; (6) a goleada sobre Augusto Nedel, me dando o título do Zona Sul. Os empates mais marcantes foram: (1) 1x1 com Marcelo Cepel, me dando o vice campeonato da Taça RS; (2) 1x1 com Alex Degani, com gol no último chute que fez o adversário chorar; (3) o 1x1 com Cristian Costa, em jogo que teve 931 jogadas. Das derrotas eu destacaria: (1) 1x8 contra o Malhão no meu primeiro ano na Academia; (2) 0x1 contra Michel na final do Equipes 2012; (3) 1x2 contra Lucas Maluquinho no Brasileiro do Rio, na melhor partida de botão que já joguei na vida. Enfim, nada mais do que um botonista médio.

Gothe Gol - Uma pergunta que temos feito a todos os entrevistados do Studio. O que houve com os gaúchos no Brasileiro de lisos, uma vez que era grande a expectativa geral de grandes resultados, que não aconteceram ?

Pedrinho - Eu não tinha essa tal expectativa grande que tu tanto fala. Basta ler as minhas colunas antes da competição. Ainda acho que se o brasileiro fosse um campeonato de pontos corridos com todos os melhores botonistas do país no liso, o Marcelo Vinhas ficaria entre a posição 9 e 16, Alex, Mathias, Maciel, Mario, Robson e outros ficariam entre as posições 20 e 40. No entanto, já que os campeonatos não são por pontos corridos, um gaúcho pode sim beliscar o título num bom final de semana, ainda mais se não enfrentar o Alênio na final. Isso é mais ou menos a mesma coisa que o Sílvio disse em sua entrevista algumas semanas atrás. Ainda precisamos melhorar para chegar ao nível dos baianos, não adianta resmungar.   

Gothe Gol - Uma grande dúvida de nossos leitores pode ser agora esclarecida. Você é torcedor do Internacional, Brasil de Pelotas, Flamengo, todos, ou qual são de fato suas preferências? Leitor nosso do Rio de Janeiro entre outros, comentou que pelo que lhe acompanha, você é mesmo um colorado enrustido.

Pedrinho - Meus dois times são o Xavante e o Flamengo. Até os cinco anos de idade, meu pai tentava me transformar em gremista (até foto com a camisa do grêmio eu tenho). Mas sempre que jogavam grêmio x Flamengo ou grêmio x Xavante eu notava que não gostava nada daquele time que parecia os Smurfs. Ao longo dos anos, a incompatibilidade com os imundos da capital foi crescendo. Quando o grêmio estava numa fase boa (época do Arce), eu secava mais o grêmio do que o inter. Quando o inter estava numa fase melhor (época do Gabiru), eu secava mais o inter do que o grêmio. Agora que estão ambos na lama, seco os dois igualmente. Em campeonatos brasileiros, minha torcida é sempre pela queda dos dois (fato já conseguido várias vezes pelo grêmio). Também torço para que os imundos da capital nunca conquistem o título, fato que o time da beira do rio tenta desde antes de eu nascer. Mas a gota d’água aconteceu alguns anos atrás, no acidente que matou dois jogadores do meu time e um amigo, que era preparador de goleiros do Xavante, e ia começar o mestrado conosco na ESEF dentro de semanas. Como qualquer torcedor Xavante, eu estava muito chateado com o ocorrido, fui ao velório coletivo, chorei, sofri. Eu era paraninfo naquele ano de uma turma de formandos e pedi uma salva de palmas durante o meu discurso para o colega Giovani, que havia partido. O Teatro Guarany ficou aplaudindo por mais de um minuto, eu acho. Foi difícil discursar depois daquilo. Pois bem, nos dias que sucederam a tragédia, os imundos da capital foram para a mídia dizer que ajudariam o Brasil. Disseram que enviariam jogadores, ajuda financeira, e tudo o que o Brasil precisasse. Passada a época da mídia, sobraram apenas as palavras, e não as ações. Ambos imundos da capital não ajudaram porra nenhuma e na verdade tentaram atrapalhar, enviando refugos e jogadores encrenqueiros, usando o Brasil como forma de desova. Daquela época em diante a minha raiva pelos imundos da capital só aumentou, e tende a seguir aumentando com o passar dos anos. O teu amigo carioca está errado. Mas como já diria Larry Flint, “opinião é que nem cú; cada um tem o seu”.

Gothe Gol - Qual o seu maior ídolo no futebol ?
  
Pedrinho - Romário, o maior de todos que vi jogar, nos campos e fora deles. Agora tem um baixinho argentino que quer se comparar com o Romário, ouvi falar. Até onde eu contei, ele jogou 20 jogos entre Copa do Mundo e Copa América e fez 2 gols. Ouvi falar também que ele nunca ganhou Copa do Mundo. Acreditem ou não, parece que o menino tende a não jogar bem na Copa do Mundo. Tenham a santa paciência. Jogador bom tem que ganhar Copa do Mundo, de preferência carregando um time de ruins, como fez o Maradona em 1986 e o Romário em 1994. O maior de todos, de boca fechada, foi o Pelé, mas esse eu só vi nos DVDs. Mas outros nomes também surgem quando penso em maiores jogadores que vi jogar: Bira, Lívio, Zezinho, Luizinho, Gilson, Millar... esses me deram muitas alegrias também.

Gothe Gol - Voltando ao Futmesa, quais os planos nas mesas para este 2013 ?

Pedrinho - Não perder para o Zilber. O resto é lucro. Falando sério, pretendo ficar entre os oito primeiros em pelo menos dois campeonatos externos esse ano. Mais do que isso, só no dia para saber. Enfrentar o Editor pela primeira vez seria também um presente, embora o 0x0 seja o resultado mais provável.

Gothe Gol - Pelotas é um polo indiscutível do Futmesa e nestes 10 Anos de Gothe Gol, por duas vezes, foi a única cidade que superou Porto Alegre em número de acessos ao Blog. Há que você associa essa paixão da cidade pelo botonismo ?

Pedrinho - Aos senhores José Bernardo da Rocha Figueira (infelizmente corintiano) e Aldyr Schlee (o pai, o que criou a camisa da seleção, o professor emérito). Eles criaram uma cultura desse jogo aqui na cidade, no estado e no país, que envolve muitas pessoas ao redor deles, seja parentes, colegas de trabalho, amigos, até desconhecidos. Essa rede foi crescendo e chegou ao que temos hoje. Sem dúvidas, eles merecem os parabéns. Mas é claro que a menor disponibilidade de opções de lazer em comparação com outras cidades ajuda Pelotas e Rio Grande a dominarem o futebol de mesa gaúcho.

Gothe Gol - Para encerrar. Tem alguma expectativa do Xavante voltar a 1ª divisão do futebol Gaúcho neste 2013, ou mesmo surpreender na Copa do Brasil onde de cara já enfrenta o Atlético PR ?

Pedrinho - Minhas expectativas para o Xavante em 2013 são simples. (1) Subir para a primeira divisão, já no primeiro turno; (2) Ganhar a Copa do Brasil, em final contra o Santos, cantando a seguinte música na final: “A E I O U, o Neymar veio aqui tomar no cú”; (3) Vencer a Copinha no segundo semestre e voltar para o campeonato brasileiro, de onde fomos tirados no tapetão (aliás o mesmo tapetão que fez o grêmio voltar numa das vezes que foi rebaixado). Já que não perguntaste sobre 2014, não vou te falar nada sobre Libertadores e Japão. Podes ter certeza que não perderíamos para o Mazembe.

 Gothe, o Editor











Pedrinho - Você é candidato a Presidência da Federação Gaúcha de Futebol de Mesa para o biênio 2014/2015 ? No que uma eventual gestão “Gothe” seria diferente das gestões recentes da FGFM ? Aproveite para avaliar as últimas gestões da FGFM.

Gothe - Não sou candidato a Presidência da Federação, só seria com a garantia de tempo para a dedicação necessária e o compromisso que tenho com a administração pública de Porto Alegre não permite este tempo.

Como candidato, teria que detalhar uma plataforma de gestão, não acredito em projetos apenas no macro. Mas no mínimo é necessário evitar erros banais, básicos, ter muita atenção com a parte técnica das competições e ficar atento a detalhes que por vezes não parecem importantes.

É claro que uma vez investido da condição de Presidente, usaria positivamente do meu círculo de relações pessoais para obter apoio as competições e outras metas e projetos da FGFM. Neste círculo constam empresários do setor hoteleiro, de grandes empresas de muitos outros segmentos (potenciais patrocinadores), instituições públicas que possuem recursos para investir em esporte, etc, além de ser necessário me cercar de um time competente com uma visão moderna de como gerir uma Federação, e não necessariamente todos botonistas, é preciso competência em gestão, caso contrário seria simples, bastaria colocar o Campeão da temporada na presidência e tudo estaria resolvido.

Alguém já imaginou o calendário oficial da FGFM com um patrocinador máster e outros menores ? Quando o esporte não garante por si só o interesse de patrocínios (e sabemos da fragilidade do Futmesa neste aspecto), é preciso conhecer as pessoas certas nos lugares certos, na condição de Presidente eu certamente contaria com este diferencial. Quem foi ao Brasileiro de Cascavel percebeu o que estas “pequenas” diferenças significam.

Quanto as gestões, a gestão de Vinhas foi o grande expoente dos últimos anos na Federação depois de um feijão com arroz nos 4 anos anteriores, apresentou soluções simples para questões que não avançavam por mero conservadorismo dos dirigentes anteriores. É preciso dizer que as gestões antes disso, pré feijão com arroz, do Mário Baptista e do Marcos Steyer, foram valentes e fundamentais, recuperaram a FGFM de uma situação administrativa e financeira muito grave.

Quanto a gestão eleita para o biênio 2012/2013, não duvido da capacidade de administração do Daniel Maciel, atual Presidente, mas infelizmente é inegável que cometeu erros que não se pode cometer, se desculpar nem sempre é suficiente, embora nobre. É torcer que o seu segundo ano de trabalho seja muito bom e tem todas as condições para tal, mas é preciso correr atrás do prejuízo.

Pedrinho - Quando teremos Gothe como candidato a presidência do Grêmio? Isso é um sonho ?

Gothe - Qual o torcedor que não gostaria de ser o presidente de seu clube do coração ? Não sou diferente, mas com certeza embora a minha colaboração em projetos importantes do Grêmio tenha acontecido, como no caso da Arena, não me considero com cacife para a empreitada.

Pedrinho - Você tem planos de tirar as rodinhas ainda em 2013 ?

Gothe - Com a idade, a probabilidade é mais rodinhas serem agregadas as já existentes, rsrs...

Pedrinho - Você palpitou bastante sobre a camiseta da FGFM, mas não costuma representar o RS nos campeonatos externos. Será em 2013 que te veremos representando o RS nos campeonatos nacionais? Quais os planos do botonista Gothe para 2013 ?

Gothe - Não palpitei, dei destaque a promoção da FGFM no Gothe Gol e como sempre apresentei a opinião do Editor. Por aqui não cultivo o muro. Tenho a impressão que nos bastidores houve veto a camisa laranja e que a branca foi escolhida por muito poucos. Mesmo que não tenha havido má intenção, não foi um processo transparente no fim das contas.

Quanto a jogar, já estive com a camisa dos gaúchos num Centro Sul, e não descarto jogar ainda um Brasileiro ser for num lugar aprazível, cerveja gelada, boa praia e muito conforto, rsrs...

Como “botonista” faço as melhores coberturas das competições no Gothe Gol, mesmo a distância, tenho a exata noção do valor desta contribução ao Futmesa pelo retorno que recebo dos internautas e pelos vários pedidos de informação chegados quando as competições estão acontecendo. É um desespero só por informações, e quase sempre o Gothe Gol salva a turma.

A FGFM já evoluiu muito nesta questão, embora ainda falhe no acompanhamento das competições, já a CBFM está na idade da pedra em termos de comunicação, é preciso que outras pessoas possam assumir a Confederação com uma visão de século XXI, vamos torcer que isso possa acontecer brevemente.

Quanto às mesas propriamente ditas, quero um título interno no Geraldo Santana, qualquer um, meu 7º caneco na Liga Inglesa, jogar o Lagoão (mesmo com mais um vice, rsrs...) e jogar também o Estadual Sênior (sempre nos cavados), fazer a 6ª edição da Copa Gerd Wenzel que não ganho nunca, tomar uma gelada encostado no balcão do Cruz de Malta em Pelotas e como sempre me divertir muito em todos os torneios, como faço sempre.

Pedrinho - Perguntas rápidas, duas em uma: Quem é melhor botonista: Alex Degani ou Cristian Baptista ? Gothe ou Seu Ênero ?

Gothe - O melhor botonista será sempre o que joga com palheta (ficha), a régua tornou o Futmesa mecânico, com menos arte (e eu é que sou o Bávaro Cavador, rsrs...). A prioridade é cavar para desmontar a defesa adversária, não existe o passe para deslocar a marcação, o lançamento longo preciso que dificulta a cobertura, é só cavar, e nas penalidades montar nas réguas. Hoje um jogador médio equilibra o jogo com um grande jogador se dominar a régua com excelência, a régua foi um desserviço a arte e um grande ganho a quem deseja ser competitivo. A melhor técnica que assisti (não posso falar de quem não vi jogar) com uma palheta (ficha) nas mãos, foi a de Paulo Schemes nos bons tempos. O Degani é o Iniesta, o Cristian o Fàbregras, ou o Degani o Fábegras e o Cristian o Iniesta, os dois excelentes e vencedores com réguas nas mãos, admiro ambos, mas nenhum dos dois é o Messi.

O seu Ênero que me perdoe, sou melhor, rsrs...

Pedrinho - Algumas vezes tu já mencionaste os ‘lordes’ do futebol de mesa gaúcho. Quem são essas pessoas ? Quais seus interesses ?

Gothe - Não existem lordes no Futmesa Gaúcho, e creio que independente do ponto de vista, todos tem o interesse de ver o esporte progredir, mas sob sua visão. O que há são os conservadores, os que tem resistência as mudanças, os que tratam o Futmesa como se fosse um alcorão, mas a maioria destes já tem pouca influência e terão cada vez menos.

Pedrinho - Consideras Gothe x Breno um dos grandes clássicos da história do futebol de mesa portoalegrense, dentro e fora das mesas?

Gothe - Foi durante alguns anos um belo clássico entre amigos, entre nós, houveram jogos memoráveis, depois nos perdemos em coisas desnecessárias, das quais tenho os meus 50% de responsabilidade. Neste aspecto fomos um mau exemplo. Segundo o meu ponto de vista, erramos os dois.

Nas mesas tecnicamente o Breno sempre foi melhor jogador, equilibrei nossas disputas com uma boa leitura de jogo, controle emocional e muita disciplina, o típico jogo alemão, rsrs...

Pedrinho - Você teve a oportunidade de gerir o departamento de futebol de mesa do Grêmio, dentro do Estádio Olímpico. Fale para nós como foi esta experiência e se existe a chance do futmesa voltar ao clube, o que seria altamente benéfico para o nosso esporte.

Gothe - No Grêmio chegamos a ter 3 divisões e mais de 50 botonistas, uma loucura, a marca Grêmio é muito forte no imaginário das pessoas, nos ensinou muito, ensinou inclusive que melhor do que quantidade é a qualidade. Uma associação com algo entre 16 à 20 botonistas de fé é o ideal.

Não creio que exista chance de voltar a existir o botonismo no Grêmio, a realidade hoje é outra e sob este aspecto, infelizmente.

Pedrinho - Por falar em Olímpico, o Grêmio voltou a jogar lá. Pensava-se que o grande problema da Arena era apenas o seu entorno. Como gremista e conselheiro, qual a sua visão sobre os problemas do entorno, estrutura, avalanche e gramado?

Gothe - Fora semifinais e finais, fui sempre contrário a jogos do gauchão na Arena, mas um dia terão que acontecer lá. O maior problema da Arena é a cidade (culturalmente) não estar preparada para receber um equipamento desta grandeza e qualidade. Uma Arena que seria orgulho para qualquer lugar no mundo, aqui é carona para 15 segundos de fama de muitos e rende muitos tangos. Quem assiste estas polêmicas de fora não deve entender nada. Mas para quem festeja (inclusive no seu hino) uma revolução na qual apanhou, o divã é mesmo recomendável.

A Arena é o mais seguro equipamento esportivo do Brasil, fácil, houve inadequação ao colocarem barras anti-esmagamento só da parte de cima do setor norte, nível 1, até a sua metade, se houvesse em todo o espaço, o incidente havido no jogo diante da LDU não teria ocorrido. Os idênticos espaços em arenas alemãs, até mesmo com capacidade para 25 mil pessoas (na Arena do Grêmio este espaço é só para 8 mil), demonstram isso.

Um empreendimento desta envergadura, que ainda vai receber no entorno hotel, centro de eventos, shopping e torres de uso misto (comercial/residencial) amadurece em 2 anos em média. Os investimentos em mobilidade urbana dependem de emendas ao orçamento da União, já providenciadas, e de recursos próprios do Governo Federal que estará jogando parte importante do fluxo da nova BR 448 para dentro do bairro Humaitá, o que exige com certeza intervenções do DNIT.

O gramado com grama idêntica a do Estádio de Wembley é próprio para o inverno, e após passar por seu primeiro inverno aqui no sul, ganhará a situação de perfeição e estará preparado para enfrentar os próximos verões já em excelentes condições. O gramado do Olímpico foi considerado nos últimos 3 brasileirões o melhor do Brasil, o gramado da Arena seguirá o mesmo caminho.

Pedrinho - Em relação ao blog: Além do cronograma semanal que já conhecemos e aprovamos, haverá mais inovações em 2013 ?

Gothe - Em 2013 são 10 Anos de Gothe Gol, os últimos 5 com edições diárias e isso só foi possível com constantes inovações e a participação de vários colaboradores, colunistas ou não. As idéias vão surgindo e as melhores vão sendo aproveitadas.

Assim nasceu o GOTHE CROMO GOL, a maior galeria de histórias sobre nossos botonistas, narradas por eles mesmos, espaços específicos para a rivalidade GREnal sem com isso descuidar do botonismo, o Jotinha, verdadeiro ícone da corneta e do bom humor no esporte, a interatividade com os internautas através de enquetes, promoções e de uma Zona de Comentários sem censura, de fato democrática. 

E tantas outras iniciativas surgiram, as coberturas de todas as competições de forma direta ou a distância, espaços para falar do Futmesa de outros lugares, o ingresso do liso com o teu CONEXÃOLiso justamente numa página onde o Editor tem suas “restrições” a modalidade, a história viva do Futmesa com o Sambaquy que é único, etc, etc, etc...

Mas o sucesso do Gothe Gol está sobretudo no respeito a diversidade de opiniões, quem navega no Portal do Futmesa não conhece as opiniões apenas do seu Editor, o que tornaria normalmente a experiência da leitura aborrecida, monocromática, chata, em nossa visão.

Quem acessa, lê a opinião de diferentes pessoas ligadas ao esporte, sabe que vai encontrar um conteúdo arejado, isso dá vida a página e uma renovação constante. O Gothe Gol tornou-se um hábito diário de muitos.

Mas não menos importante é que se escreva muito sobre o Futmesa, não importa o estilo ou viés das páginas, o nosso esporte deve ter presença maciça na rede, todas as páginas que falam sobre Futmesa são fundamentais, todas tem o seu público.

Mas no nosso caso específico, digo que não basta ter 10 Anos na rede e que não basta que seja atualizada diariamente, é preciso se reinventar a cada dia e isso só é possível com a determinação de informar, opinar e projetar tudo com muita qualidade, e fazer isso não é possível se não contarmos com um conjunto grande de apaixonados colaboradores, os que já passaram por aqui, os que estão e os que certamente ainda passarão. 

Um amigo meu, comum a vários botonistas, sempre diz a seguinte frase acompanhado invariavelmente de uma boa risada: “O Gothe Gol ganhou uma dimensão tal, que quem jura que não lê, espia”

22 comentários:

hamster adestrado disse...

Lalau, os Umpa Lumpas, atingem no máximo 1m e 20cm.
Gothe, quanto ao balcão do cruz de malta, se quiseres, serei teu parceiro.

Pedrinho Gmail disse...

Mas será que os Umpa Lumpas atingem 1,51m? Essa é a grande questão!

Ricardo Gothe disse...

O importante é a garantia da parceria pro balcão do Cruz de Malta, rsrs...

Abraços,
Gothe

Pedrinho Gmail disse...

O balcão do Cruz de Malta está garantido! Ainda mais depois da bela entrevista (FALANDO SÉRIO), apesar da pipocada na pergunta sobre Alex x Cristian.

Ricardo Gothe disse...

Camarada Pedrinho,

minha tese é antiga e conhecida sobre fichas e réguas, se algum deles jogasse o que joga com a palheta (ficha), seria o meu escolhido, tenho que manter a coerência.

Um abraço,
Gothe

Pedrinho Gmail disse...

Mas entre dois jogadores de régua, não existe um melhor do que outro?

Por exemplo, entre Pedrinho e Diógenes no liso, ambos jogam de régua: qual é melhor?

Daniel disse...

Valeu pessoal foi uma leitura sensacional, ler dois homens inteligentes trocando de posição foi legal, rsrsrsrsr, sem trocadilhos, rsrsrsr, tamo junto, foi realmente muito bacana.
Dani.

Ricardo Gothe disse...

Com a régua me parecem jogadores iguais, tenho certeza que a ficha os definiria melhor.

Abraços
Gothe

Ricardo Gothe disse...

Bah ! Esqueci do Pedrinho e Diógenes como parâmetro. Tu deve estar mesmo de sacanagem, rsrs...

Abraço,
Gothe.

Pedrinho Gmail disse...

O muro continua!

Ricardo Gothe disse...

Pedrinho,

não há muro algum, há coerência, embora tu não queira aceitá-la.

Então vou ajudar na polêmica, vamos lá. Nos cavados o Cristian me parece mais completo por ter a vantagem da frieza que o Degani apesar da evolução neste item, ainda não possui 100%.

Nos lisos não há como comparar, só o Degani pratica o liso dos dois.

Um abraço,
Gothe.

Aldyr Rosenthal Schlee disse...

Bonito esse troca-troca entre adultos. Parabéns a ambos.

Cristian Ferreira da Costa disse...

Pensei a mesma coisa Aldyr.

Pedrinho Gmail disse...

Ufa, o Editor saiu do muro...

Aldyr e Cristian, vocês estão com ciúmes?

Ricardo Gothe disse...

Convívio em mesma região do Estado por certo tempo, leva a pensamentos semelhantes, rsrs...

Abraço,
Gothe.

Ricardo Gothe disse...

Pedrinho,

reparou que usei o termo mais completo ?

Um abraço,
Gothe

Pedrinho Gmail disse...

Zero Hora (20 de Fevereiro de 2013)

Ricardo Gothe prefere Cristian Baptista à Alex Degani nos cavados!

Ricardo Gothe disse...

Camarada Pedrinho,

Queres dizer Zero Hallal ! rsrs...

Prefere ?

E você prefere o que entre os dois nominados ?

Abraço,
Gothe.

Pedrinho Gmail disse...

O Cristian é melhor nos cavados.

O Alex é melhor nos lisos.

Ricardo Gothe disse...

Pedrinho,

tua pergunta era sobre o melhor botonista, e não o preferido, mas creio que o debate foi positivo para a construção do teu último post.

Um abraço,
Gothe.

Pedrinho Gmail disse...

Sem dúvidas apontaste qual achas o melhor.

Ricardo Gothe disse...

Tens direito a tua leitura, mas a minha afirmação, apenas eu, rsrs...

Abraço
Gothe