quinta-feira, 16 de maio de 2013

FutRIOmesa por Glaiton e O Bávaro Cavador



















 
Copa Rio na Modalidade Livre 

No próximo final de semana teremos a realização da Copa Rio, mais uma etapa das Competições da Fefumerj, a Série Ouro será disputada no Vasco da Gama. A etapa será na modalidade Livre, mas as mesas serão de Lisos, uma pena visto que há estruturas, se não ideiais, mais adequadas para os botões não trancarem.

Se as inscrições conforme o ranking forem confirmadas teremos dois grupos da morte e a queda certa de um campeão estadual para a Série Prata.

Alenio, André e Alexandre formariam o primeiro grupo da morte. Um grupo onde estão 11 títulos da Modalidade Livre. Alenio (5) André (4) e Alexandre (2). Experiência não falta para essa galera.

O segundo grupo da morte seria formado por Hércules, Robson e Weber. Um grupo com 4 títulos já conquistados Hércules (3) e Robson (1), Weber tem um título no liso, mas quase todos os atletas citados também tem títulos no liso que eu não computei aqui.

Complementando teríamos o grupo do Horácio (líder do Ranking), Diego e Nathan e o grupo composto por Glaiton, Waner e Sidney.

Passam dois de cada grupo e os 3º colocados disputam um quadrangular para definir a permanência de 1 na ouro e 3 descem para a Prata, ou seja, pelo menos 2 campeões estaduais terão que disputar com mais dois atletas uma vaga para a próxima etapa da ouro. Fortes emoções à vista.

A Afumig terá 5 representantes (André, Hércules, Alexandre, Sidney e Nathan), a Portuguesa 2 representantes (Alenio e Horácio), o Vasco 2 representantes (Robson e Weber), Urubuzada 1 (Diego), EC Rio-SP 1 (Waner) e Light 1 (Glaiton).

Palpitando um pouco, acho difícil Alênio e Horácio não ficarem entre os quatro, mas tudo é possível, a galera do Vasco e da Afumig não são de brincadeira. O pessoal de EC Rio SP, Urubuzada e Light correm por fora.

A etapa garante ao vencedor vaga na disputa do título estadual no segundo semestre, para os demais é importante somar pontos no ranking para tentar uma vaga por posição na disputa do titulo estadual que acontecerá, infelizmente para mim, no dia seguinte da apresentação do Metallica no Rock in Rio. O Show deverá terminar as 3h, até chegar em casa serão 5h e a competição começa ás 9h.

Os desafios apontados pelo blog do Gothe Gol que as Associações enfrentam para se manter, também ocorre com o RJ, talvez com um agravante maior que é o custo do metro quadrado nesta região do pais. Os aluguéis são quase proibitivos para uma associação. Mesmo assim, espero que consigamos com um bom planejamento, melhorar a estrutura para a prática do Futmesa. Digo isso porque no RJ temos mais praticantes de Livres, mas não temos mesas adequadas a prática desta modalidade. Apesar da maioria jogar livre, os principais jogadores do estado se dedicam a prática de Liso; a exceção é o Horácio que prefere o Livre.

Destaques do mês

Thomaz - com um ano de prática tem evoluído e conseguido bons resultados nas competições. Garantiu sua permanência na Série Prata do Liso, garantiu o acesso para Série Prata no Livre.

Sabóia - outro que tem conseguido bons resultados, ficou com o vice-campeonato da última competição da Liga Argentina, garantiu sua permanência na série Prata Liso e garantiu acesso para Série Prata Livre.

Sistema de acompanhamento das competições desenvolvido pela Federação Gaúcha - excelente, apesar da não atualização no domingo pela manhã. Vocês estão de parabéns!!!

Alex Degani - conquistar 3 títulos estaduais no liso é um grande feito, em sequência é mais impressionante ainda. Parabéns atrasado!!

Por hoje é só galera, um abraço e até o próximo mês.

O BÁVARO CAVADOR

















 


por Ricardo Gothe

A Academia de Pelotas não deverá se fazer presente no Estadual Sênior e de Juniores de cavados que acontecerá na Franzen em Porto Alegre. Concorrem para isso algumas razões expostas por alguns dos próprios botonistas da Academia em conversas com este editor, o fato de hoje estarem completamente dedicados ao liso, o esvaziamento do último Estadual da categoria acontecido também em Porto Alegre no Geraldo Santana, o excesso de competições, não exatamente nesta ordem, entre outros fatores menores.

O fato relevante da ausência da tradicional Academia de Pelotas da próxima competição oficial do calendário da FGFM impõe que prossigamos a reflexão que já viemos fazendo em nossos espaços sobre o atual momento do esporte no Rio Grande do Sul, em pequenos tópicos as vezes. O liso não alcançou o tamanho que dele se esperava e o cavado sem dúvida se ressentiu com as migrações.

O liso cresceu, tem espaço ainda para algum crescimento, mas a fotografia que aí está não sofrerá significativas modificações daqui para frente. Sobretudo porque um crescimento maior estaria diretamente vinculado as associações adotarem a modalidade de forma completa, e este não é o panorama que se observa, exceção a AFM Caxias que sempre o praticou de forma exclusiva e da própria Academia de Pelotas que tomou objetivamente esta atitude.

Pos sua vez o cavado não recuperará a dimensão que já teve e entre outros torneios, a Taça RS do ano passado em São Lourenço do Sul sem as principais estrelas do nosso botonismo foi prova determinante desta nova realidade. Talvez ainda o cavado seja a modalidade que consiga reunir 64 botonistas numa única competição, o Especial deste 2013 em Canguçu terá que oferecer a resposta sobre esta dúvida, é possível que por acontecer fora do eixo Porto Alegre/Pelotas/Rio Grande não consiga este número de jogadores, poderá não conseguir porque será assim de agora em diante, não importa onde seja disputado.

Muitos podem discordar das projeções, mas não há o que discordar de números, os cavados experimentam um esvaziamento, quando não de números, de qualidade, o liso não tem em seu histórico de competições regionais nenhuma que tenha respondido a uma expectativa do teto de jogadores imaginado, se não houver aqui um equívoco, foram 52 no seu último Especial e o torneio de Equipes invariavelmente responde por 7 ou 8 clubes filiados a FGFM, no máximo.

As competições sem reunirem o conjunto de botonistas que sempre fizeram a história do esporte, ou com a ausência de associações tradicionais refletem um momento de falta de consistência das duas modalidades, e não há nada que indique uma modificação deste quadro, nem mesmo no longo prazo. Nota-se nas dificuldades internas de boa parte das associações o reflexo destes movimentos, nítidos nos últimos 4 anos pelo menos.

Quando dois "produtos" passam a dividir uma mesma clientela, sem o aumento de sua base de "consumidores", o fenômeno não chega a surpreender. Arrisco dizer que o Futmesa local que naturalmente já enfrentava obstáculos para se manter, está ainda mais pobre.

Minha expectativa é de classificação as quartas hoje do Grêmio no El Campín em Bogotá diante do Santa Fé pela Libertadores, com todas as dificuldades conhecidas, confio até mesmo na vitória. O momento de crise técnica tem que passar, não existe melhor momento para isso acontecer do que agora. Existem dois times no Brasil hoje com capacidade de jogar um melhor futebol com alguma regularidade, Galo e Corínthians, os demais seguirão vivendo de altos e baixos, com alguma chance de equilíbrio no 2º semestre e o Grêmio não é diferente dos demais.

A convocação de Felipão para o Brasil da Copa das Confederações não traz surpresas, podemos querer A e não B para determinadas posições, detalhes na verdade. Se a não convocação de Ronaldinho e Kaká significar de fato que começamos a virar uma página em nossa seleção, tanto melhor. Talvez eu possa criticar a falta de mais um jogador no setor de criação, não mais do que isso.

Volto a um Estadual depois de ausente por questões profissionais em 2012, quando o Sênior aconteceu no Geraldo Santana. A expecativa é de diversão, por mais que nas mesas possa durar 3 jogos. Estas ocasiões é de rever botonistas com os quais pouco convivemos, o mais é lucro. Para não dizer que não arrisquei palpites, vou no seco. Nilmar vence no Sênior e Pica Pau no Júnior.

6 comentários:

Dr.Maia disse...

Considerando que as alegações do Gothe estejam corretas e que hoje o futebol de mesa Gaúcho encontra-se num momento de enfraquecimento das duas modalidades, caberia a Federação tomar algumas providências.
Tendo em vista que a intenção de todos os botonistas(de boa-fé) é o fortalecimento de ambas modalidades, caberia ao nosso órgão diretivo instituir a obrigatoriedade das suas filiadas praticarem as DUAS modalidades.
A Federação também poderia instituir uma cota mínima de comparecimento das suas filiadas em competições das DUAS modalidades.
Seria uma maneira de regrar o "relacionamento" das modalidades dentro do nosso futebol de mesa.


Há braços



Rogério D. Feijó disse...

Meu amigo Doctor Maia, o cara do
"HÁ BRAÇOS", na minha modesta porém sincera opinião, tudo que é OBRIGATÓRIO É UMA MERDA.
O canal é as pessoas saírem da condição de esperarem pela FGFM, e refletir sobre o quanto somos fortes enquanto UNIDOS PELO FUTEBOL DE MESA seja em que regra e ou modalidade for.
Que cada um faça a sua parte, que cada um tenha em mente que tudo que se faça hoje retornará amanhã de duas formas ou positiva e ou negativa.
Um braço pra ti Dr. Maia.
Rogérinho

Dr.Maia disse...

Entendo o teu raciocínio Rogério e até mesmo concordo com ele, todavia, vai a minha explicação sobre a idéia anteriormente referida. Não tenho a pretensão de que a Federação adote uma postura ditatorial e que limite demasiadamente a liberdade dos botonistas. Minha sugestão vai no sentido de garantir que a individualidade não se sobreponha a coletividade, pois conforme as palavras do Gothe o futebol de mesa gaúcho estaria passando por processo de enfraquecimento. Portanto, nosso órgão diretivo, que é o representante legitimo da coletividade, poderia vir a tomar tais iniciativas como medida de proteção ao futebol de mesa gaúcho. Meu entendimento é que odesenvolvimento do futebol de mesa dentro do RS é muito maior que a "liberdade" de cada botonista.

Há braços.

claudioaalight disse...

Amigos,
Acredito que, no futmesa de modo geral, o maior inimigo não sejam regras ou modalidades.
Vários esportes mostram que isto mais acrescenta e agrega doque o contrário.
No futebol temos todo tipo de variações, o que acaba atingindo uma grande gama de praticantes.
No Tennis, que muitos consideram elitista, tem o saibro, grama e o piso mais duro.
Na nossa modalidade, o Disco.
O caminho acredito que seja a divulgação e trazermos novos jogadores.
Com organização e uma boa mídia (sites,blogs,etc) é possivel.
O mais preocupante é atingir a faixa etária mais nova.
Porque invariavelmente quando chega a adolescencia eles se afastam.
Alguns até voltam, mas realmente é um fato.
Aqui no RJ, mesmo considerando em uma escala menor, passamos por isto
De uma geração recente e talentosa poucos ainda jogam.

Saudações

Rogério D. Feijó disse...

Senhores , acredito na boa intenção das pessoas, mas não concordo com a leitura feita pelo Gothe, Enfraquecimento???
Houve algum tipo de levantamento na FGFM para sabermos se tivemos muitas desfiliações??? Acredito que tivemos algum acréscimo de novos Filiados.
Campeonatos da FGFM sempre são muito bem frequentados, na minha visão ficou uma ideia de que no passado os campeonatos tinham mais expoentes jogando, se for por aí até concordo.
O FUTEBOL DE MESA sempre passa por períodos em que as pessoas estão mais envolvidas ou menos interessadas, e nenhum blog pode servir como termômetro para isso, desde que comecei a jogar isso foi em 2000, percebi que em alguns momentos a coisa fica mais interessante e em outros momentos acontece uma espécie de abandono, mas isso não retrata o TODO. Respeito as opiniões contrarias a minha, talvez a minha visão seja equivocada, mas não vejo com preocupação pelo menos até o momento. Abraço
Rogérinho

Ricardo Gothe disse...

Camaradas,

cada um tem sua visão e deve ser respeitado, O Gothe Gol nuca teve a intenção de determinar verdades.

O comentário expressa a maioria das conversas e comentários que temos e recebemos de diversos botonistas, eu particularmente entendo que se elas caminham numa mesma direção (verdade ou não), são a manifestação de uma preocupação.

Como o blog nunca pretendeu publicar só a opinião do editor, propõe o tema refletindo opiniões, e por consequência gerando novas opiniões.

Todos os dados podem ser reais e ao mesmo tempo relativos, o Grêmio por exemplo pode ter 60 mil sócios e apenas 40 mil ativos. Cada um vai encontrar o dado que melhor se aproximar de sua tese, é normal.

O válido é que sobre cada tema, possa se ter o maior conjunto de opiniões possíveis, discordantes ou não.

Aqui sempre propusemos a reflexão, assim como a coluna hoje expõe uma preocupação, outras matérias como o trabalho do Fosca em Torres (completa e extensa matéria naquela oportunidade) ou a iniciativa do Umberto em Santa Vitória do Palmar ou ainda a retomada do Fronteirão (matéria recente) em Livramento, mostram outra faceta sobre o mesmo tema.

Mostrar todas estas realidades a cada momento sem receios é o objetivo, e as intervenções só demonstram o acerto do critério que sempre utilizamos.

Um grande abraço,
Gothe.